No dia 28 de Setembro, Os Aparecidos Políticos – grupo de arte ativista – fizeram uma intervenção intitulada ‘A Leitura da Abertura’ no primeiro dia do XV Encontro Nacional da Rede Nacional dos/as Advogados/as Populares (RENAP) em Fortaleza-CE.

Num período em a sociedade civil, organizações e movimentos sociais pedem a abertura dos arquivos da Ditadura Militar – processo mais que necessário para uma justiça de transição e de concretização de uma democracia – o grupo Aparecidos Políticos fez uma ação nesse encontro no sentido de levantar questionamentos a respeito da ocultação desses arquivos por parte do Estado brasileiro.

A partir de diversos arquivos da Ditadura Militar disponíveis em formato flash no site do Centro de Referência de Lutas Políticas no Brasil , o grupo digitalizou 17 arquivos para um formato impresso e colocou-os na primeira página da pasta dos cerca de 130 advogados/as que encontravam-se no encontro. Os arquivos, que podem ser baixados logo abaixo, tratavam de diversas temáticas: desde letras de músicas e filmes que foram censuradas (onde se pode observar a maneira de escrita à mão dos censores); passando por um arquivo de despacho ao ditador Ernesto Geisel até um documento sigiloso do DOPS de 1967 que pede a apreensão de livretos subversivos.

A distribuição dos arquivos ocorreu um pouco antes do início das palestras e causou um clima de curiosidade e espanto em algumas pessoas presentes. No momento em que alguém terminava a leitura do arquivo, um integrante do grupo registrava os depoimentos de alguns advogados/as que viam pela primeira vez aqueles documentos. No último dia do encontro, Os Aparecidos participaram de um ato com a presença de ex-presos políticos, familiares e amigos de desaparecidos políticos da época onde foi exibido o vídeo “Vou Contar Para Meus Filhos”, de Tuca Siqueira.

Entendendo que ainda há muito a ser feito a respeito da abertura dos arquivos da Ditadura militar, como também da Comissão da Verdade, o coletivo conclama a toda a sociedade civil a distribuir e compartilhar esses documentos, seja através de e-mails, redes sociais ou blogs no sentido de aumentar o debate público a respeito da importância da abertura desses arquivos e, mais ainda, pressionar o Estado para que esse cumpra não mais que suas obrigações. É como se diz um provérbio: ‘Os direitos se tomam, não se pedem; se arrancam, não se mendigam’

Fotos:

 

 

 

  

Arquivos Distribuidos (Clique na Imagem para baixar o arquivo em formato .PDF):

  Arquivo Reservado da Divisão de Infantaria com plano de Sequestro do Embaixador dos EUA (Anexo 25) – Sem Data

  Artigo da Frente Brasileira de Informações – Comitê de Denúncia da Repressão no Brasil (Santiago,Chile) – Data: Novembro de 1971

  Boletim de Impressa do Comitê de Defesa para os Paises do Cone Sul – órgão vinculado à Comissão Arquidiocesana de Pastoral dos Direitos Humanos e Marginalizados. Data: 31-Julho-1979

  Capa do Jornal da UEE – O Poder Estudantil. Data: jul-1968

  Carta a João Goulart sobre Frente Ampla. Data: provavelmente em Set-1967. Autor: Desconhecido

  Cartaz de Procura-se Carlos Lamarca,Carlos Roberto, José Mariane e Darcy Rodrigues. Sem data.

  Censura à Peça de Teatro Roda Viva pelo Censor Mário F. Russomano em que o mesmo pergunta se  Chico Buarque de Hollanda “seria um débil mental?”. Data: 21-jun-1968

  Despacho do Ministro Armando Falcão com o Senhor Presidente Ernesto Geisel. Data: Maio de 1974.

    Documento Confidencial da Divisão de Informação com fotos dos presos políticos banidos para o México pelo Governo Brasileiro. Sem data.

  Documento Sigiloso de Pedido de Busca do Departamento de Policia Federal/DOPS. Data: 1-Ago-1967

  Norma para Prisão de Agitadores expedido por Armando Rosenzweig Menezes. Data: 9-out-1968

  Relatório da Delegacia de Ordem Política e Social do Paraná sobre manifestação de estudantes do Paraná em Solidariedade a estudantes de Minas Gerais. Sem data.

  Suspensão de Direitos Políticos de Honestino Monteiro Guimarães pedido ao Presidente da República.Data: 1969

  Veto à Música Cálice de Chico Buarque e Gilberto Gil. Carimbo de: MJ-DPF-TCOP/DR/GB. Data: provavelmente 10-maio-1973

Links:
Coletivo Quem? – grupo de arte política de São Paulo:
Série de debates “Ditadura, Democracia e Resistência para Quem” em São Paulo: